Anexo:História Do Microsoft Windows

Anexo:História Do Microsoft Windows

Anexo:História Do Microsoft Windows 1

A primeira versão do Windows nunca foi do todo robusto, nem sequer tornou-se popular. Foi severamente limitada por causa dos recursos legais da Apple, que não permitiu imitações de tuas interfaces de usuário. Tendo como exemplo, lá as janelas só puderam estar disponíveis em mosaico sobre a tela; ou melhor, lá eles nunca poderiam sobrepor-se ou acobertar-se umas às novas. Lá também não havia lixeira visto que a Apple pensou que teve a patente desse paradigma ou conceito. Ambas as limitações foram eliminadas no momento em que o plano da Apple foi ignorado no tribunal. Por outro lado, a maioria dos programas incluídos aí a primeira versão do Windows, foram aplicações “de brinquedo” com pouco atrativo para todos os usuários profissionais e os engenheiros.

o Windows 2.0 foi lançado no mercado no dia dois de dezembro, em 1987, e foi uma coisa mais popular do que a versão inicial. Grande parte desta popularidade foi recebida a inclusão no formato de versão run-time de novas aplicações gráficas da Microsoft, como o Microsoft Excel e o Microsoft Word pra Windows.

Estas puderam ser carregados a partir do MS-DOS, executando o Windows em que momento o programa, e cerrándolo ao sair delas. Ali Windows ainda usou o microprocessador 8088 da Intel, sendo assim que foi limitado a 1 mb de memória RAM; mas, muita gente conseguiu fazê-lo funcionar em sistemas multitarefa, como DesqView.

  • 1956
  • sistemas de arquivos distribuídos (não fornecidos E/S em paralelo)
  • dois Baseados em BSD
  • Bélgica: O Standard se apega a liderança
  • 2 Agente Ruby
  • Mensagens: 4.453
  • 1991, 2º prêmio, 9º Festival, a Mostra Competitiva do Hemisfério Sul, por Parabolic People
  • Mobile / responsive menus, by eflyjason (phabricator:T154890)

Em resposta ao aparecimento do sistema operacional OS/dois 2.0 na IBM, a Microsoft montou o Windows 3.1, que incluiu incalculáveis reforços menores para o Windows 3.0 (como as fontes TrueType escaláveis), contudo que consistiu, principalmente, em suporte multimédia. Depois, a Microsoft lançou o Windows 3.11, chamado de o Windows para workgroups, que incluía drivers e protocolos otimizados para as comunicações em rede e suporte para redes ponto-a-ponto.

Por sua vez, a Microsoft continuou a fazer o Windows NT. Pra isso, recrutaram Dave Cutler, um dos chefes e analistas de VMS em JAN (hoje porção da Compaq, comprada pela HP em 2005) pra converter NT em um sistema mais competitivo.

Cutler tinha estado a desenvolver um subcessor do VMS em DEC (Digital Equipment Corporation) chamado Mica, e no momento em que DEC abandonou o projeto levou seus conhecimentos e alguns engenheiros da Microsoft. DEC bem como pensou que levou o código de Mica para a Microsoft e processado. Microsoft finalmente pagou 150 milhões de dólares, e concordou em conceder suporte ao microprocessador Alpha da DEC no Windows NT.

Sendo um sistema operacional inteiramente novo Windows NT sofreu problemas de compatibilidade com o hardware e o software existentes. Também precisou de uma amplo quantidade de recursos e a maioria deles só estavam acessíveis em computadores grandes e caros, desse jeito que diversos usuários não conseguiram passar pro Windows NT como resultado.

A interface gráfica do NT ainda esteve baseada no Windows 3.1, que era inferior à do OS/2. Windows NT 3.1, desta forma denominado para fazê-la parecer-se com uma continuação do Windows 3.1, foi anunciado na sua versão beta para desenvolvedores na Conferência de Desenvolvedores Profissionais de julho de 1992, em San Francisco (Califórnia), Estados unidos. A Microsoft anunciou na conferência tua pretenção de fazer um substituto pro Windows NT e o teu sistema operacional a seguir o código Chicago (que ainda não havia sido lançado). Este substituto teria de reunir os 2 em um só, e teu nome de chave foi Cairo.