Biografia De Um Cimarrón

Biografia De Um Cimarrón

Biografia De Um Cimarrón 1

Biografia de um cimarrón é um testemunho ou romance testemunho publicado em 1966 pelo ilustre antropólogo cubano Miguel Barnet. A obra se concentra pela vida de Esteban Montejo, um cubano negro de 108 anos que conta a sua história em primeira pessoa.

O relato de Esteban Montejo, é significativo, em razão de “nasceu na escravidão, vou fugindo pra montanhas, participou pela briga de independência de Cuba e a batalha de Cienfuegos contra os norte-americanos”. É considerado o texto fundador do testemunho do que se organizarem e projecção dos outros testemunhos pela América Latina a partir dos anos setenta.

A obra obteve aclamação crítica ao ser publicada e se difundiu em inúmeros países do mundo. Isto fez com que Barnet seja considerado o expoente máximo da novela testemunho hispano-americana. Biografia de um cimarrón começa com uma introdução onde o autor explica como se deu o encontro com Esteban Montejo.

  • A ocorrência económica pessoal dentro de um ano
  • #oitenta e três leviatan82
  • quatro 1801: Tecnologia de cartão perfurado
  • 04:30.- LAKERS (com Pau?)-GRIZZLIES(com Marc) Quatro, em aberto

Barnet explica que viu uma publicação no jornal sobre isto incontáveis idosos que ultrapassava os cem anos. O que mais lhe concentro em Barnet foi que um dos anciãos alegou ter sido cimarrón. Deste jeito Barnet foi entrevistá-lo. Daí começa a história de Esteban Montejo, narrado na primeira pessoa.

A história começa com os primeiros memórias ante a primeira seção do livro chamado ‘Escravidão’. Montejo explica um tanto a respeito do que você entende sobre o assunto seus pais biológicos e sobre isso os seus padrinhos que conheceu cerca de 1890. Dessa forma Montejo conta a respeito da existência no acampamento e como ele trabalhava de guria nos engenhos. Esta quota como todo o livro é bastante etnográfica e descritiva.

Por exemplo Montejo descreve a vida no acampamento pros escravos. Toca com inmensuráveis assuntos, como as punições, diferentes tipos de trabalhos em inteligência, religião, nacionalidade dos escravos, a feitiçaria, danças, como estavam os pretos no acampamento.

Depois vem o episódio “a existência no monte”. Daqui deriva o nome do título do livro, pelo motivo de é a vida de Montejo como escravo fugido, ou melhor cimarrón. Nesta seção, nota-se a personalidade de Montejo, porque gosta de estar pela solidão e n.º da comunidade. Montejo explica como fazia para sobreviver, o que fazia para consumir, como vivia pela caverna, e do estigma de ser cimarrón de acordo com outros escravos.

em seguida, vem a segunda seção do livro chamado ‘A Abolição da Escravidão’. Esta é a porção mais longa do livro e explica mais a respeito da existência nos engenhos. Aproximado à primeira fração toca em muitos assuntos diferentes, a título de exemplo, relações com mulheres, festas e cerimônias dos negros, e nota-se a personalidade de Montejo, já que tem uma posição robusto a respeito do que diz.

Finalmente, a última seção trata da competição de liberdade de Cuba e o envolvimento de Montejo. Montejo, descreve como era a existência durante a luta e, no final, fala a respeito da interferência americana sobre Cuba depois da guerra. Há uma sequência narrativa ao longo do livro, onde o leitor conheça a Cuba de um a outro lado das descrições de Montejo sobre isso numerosos tópicos.